fbpx
Dicas_de_escrita_particípio
Conteúdos Paco,  Serviço

Verbos no Particípio – Tinha chego ou chegado?

É comum no dia a dia termos diversas dúvidas relacionadas ao correta da língua portuguesa. Isso acontece porque, na oralidade, usamos termos e frases que nem sempre estão de acordo com a norma padrão. É o caso, por exemplo, da construção “tinha chego”. Aposto que você já ouviu ou utilizou em uma conversa!

Sim, nós sabemos que conjugar verbos em português não é uma tarefa das mais fáceis. Se a situação costuma ser complicada com a conjugação no presente no indicativo, imagina quando queremos usar um verbo no particípio passado.

Por particípio passado, entende-se a construção em que usamos a terminação IDO ou ADO. Essa forma verbal expressa uma ação concluída e tem a função de transformar o verbo em um substantivo ou adjetivo.

No entanto, como para toda regra há uma exceção, existem verbos cujas terminações no particípio passado correspondem à primeira pessoa do singular do presente do indicativo. São os chamados verbos abundantes, que possuem dois particípios. Como exemplo, podemos citar os verbos ACEITAR, IMPRIMIR e ENTREGAR.

Esses verbos acima possuem um particípio passado regular, com a forma IDO ou ADO, e um particípio passado irregular, com a conjugação igual à primeira pessoa do presente. Isso significa que podemos usar os dois modos, mas não de qualquer jeito.

Qual a regra para utilização de particípio regular e do irregular?

A maioria dos verbos, no particípio passado, terminam em IDO ou ADO. No entanto, se o verbo aceita as duas formas (regular ou irregular), isso significa que a forma regular (IDO ou ADO) será utilizada após os verbos “ter” ou “haver”. A forma irregular, por sua vez, será utilizada depois dos verbos “ser”, “estar” e “ficar”.

  • Exemplos com particípio regular
  1. “Lúcia não tinha aceitado a proposta de noivado”;
  2. “Eu tinha entregado minha tarefa dentro do prazo”;
  3. “João saiu sem ter imprimido as folhas da prova.
  • Exemplos com particípio irregular
  1. “Maria foi aceita em uma universidade dos EUA”;
  2. “O pedido do delivery foi entregue corretamente”;
  3. “As folhas foram impressas com erros de digitação”.

Por que não posso usar a construção “tinha chego”?

No caso do verbo “chegar”, a norma padrão da língua portuguesa só aceita o particípio passado “chegado”. Isso quer dizer que, em qualquer construção, seja com os verbos “ter”, “haver”, “ser”, “estar” ou “ficar”, a forma correta é sempre “chegado”. Ou seja, chegar NÃO é um verbo abundante. Logo, “eu tinha chego” não existe.

  • Exemplos da utilização correta do particípio passado do verbo chegar
  1. “Juliana tinha chegado às 7h na academia”;
  2. Havia chegado a hora de decidir se optava pela festa de casamento ou pela viagem”;
  3. “Mariana não podia ter chegado a tempo, pois seu voo fora cancelado.

Quando é possível utilizar o “chego”?

A conjugação “chego” somente deverá ser utilizada quando o falante estiver se referindo à construção da primeira pessoa do singular, no modo indicativo; abaixo, temos alguns exemplos:

  1. “Eu sempre chego ao trabalho às 9h;
  2. “Toda vez que eu chego à casa de Maria, tem louça suja na pia”;
  3. “Caminhando, chego ao Rio Vermelho em 30 minutos”.

Fique atento! Há outros verbos que também causam confusão

Além do “tinha chego”, largamente empregado na oralidade, as pessoas costumam usar a construção “tinha trago” e “foi abrido”. Assim como acontece com o “tinha chego”, essas construções estão erradas e não existem na norma culta da língua portuguesa. As únicas formas do particípio passado desses verbos são: chegado, trazido e aberto.

Achou interessante? Acompanhe e divulgue nosso blog para mais conteúdos.

Fundada em 2009, é uma editora voltada para a publicação de conteúdos científicos de pesquisadores; conteúdos acadêmicos, como teses, dissertações, grupos de estudo e coletâneas organizadas, além de publicar também conteúdo técnico para dar suporte à atuação de profissionais de diversas áreas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.