Cultura,  Estudantes,  Institucional,  Notícias Acadêmicas,  Pesquisadores,  Professores

A COLÔNIA em PERSPECTIVA PESQUISAS E ANÁLISES SOBRE O BRASIL (XVI-XIX)

O período colonial ainda desperta muita curiosidade e o imaginário de inúmeros brasileiros sobre o que se passou dos séculos XVI a XIX até a chegada da Coroa Portuguesa em 1808 no país. E é disto que a obra ‘A Colônia em Perspectiva – Pesquisas e Análises sobre o Brasil (XVI-XIX)’ traz para incorporar a historiografia do período.

Organizado pelos autores Maria Isabel de Siqueira, Helena Trindade de Sá, Valter Lenine Fernandes e Victor Hugo Abril, na edição da Paco Editorial a releitura é provocante, analítica e, sobretudo, respeitando a complexidade de um período que nos diz muito sobre a nossa história – passada, recente e contemporânea.

O que ainda não foi dito

Podemos resumir ‘A Colônia em Perspectiva – Pesquisas e Análises sobre o Brasil (XVI-XIX)’ como uma das obras essenciais para quem busca entender os três séculos coloniais brasileiro. São 17 artigos completos, cada um explorando nuances e períodos próprios, com características até anteriormente pouco explorado nas pesquisas históricas do Brasil Colônia.

Através de conceitos como converter, comprar, orar, escravizar, obedecer, questionar, legislar, administrar, julgar, plantar, vender, colonizar, governar – entre tantos outros verbos – os autores criam o imagético ao leitor que submerge na Colônia e encara perspectiva sobre como viviam as primeiras sociedades que uniam europeus, indígenas e africanos.

A obra tem relevância ímpar se formos analisar, também, sua ótica acerca das paragens do Império Português entre 1530 e 1808 – qual a influência e a forma de administração advinda de Lisboa e o que isso se configurava nas mais diversas regiões espalhadas por um território que pouco lembra a atual extensão do atual Brasil.

Uma pesquisa necessária

‘A Colônia em Perspectiva – Pesquisas e Análises sobre o Brasil (XVI-XIX)’, diferente do convencionalismo de estudos historiográficos, não se dá a partir da visão particular do autor. Mas, sim, pelo conjunto de artigos, cada um com a perspectiva corroborada por documentos e outros estudos, que ampliam o conhecimento acerca da temática.

E isso fica evidente através dos capítulos, dividido em quatro partes, que abrangem todas as relações sociais, culturais, linguísticas, governamentais, econômicas e religiosas: a ‘Parte I – Elite e Governo’ abrange como as lideranças políticas locais e centralizadas em Salvador, passando posteriormente ao Rio de Janeiro, se organizaram no período.

Para entender nosso complexo sistema econômico atual, analisar o que a ‘Parte II – Economia e Negócios’ traz sobre as primeiras configurações de administração de recursos, focando e explorando a principal ferramenta de comércio entre continentes à época: as exportações portuárias.

Na ‘Parte III – Política, Propriedade e Recursos Naturais’, podemos ter uma perspectiva singular sobre as relações dos primeiros detentores de terras – e, subsequentemente, de escravos – e a forma como se relacionavam com todos os recursos naturais disponíveis do país: começando com a era do pau-brasil, passando pela cana-de-açúcar e redundando no ouro.

Para fechar, o capítulo só poderia abranger todo o período na principal forma de relação do Brasil Colônia. ‘Parte IV – Justiça e Religião’ aborda características que anteriormente eram tabus a alguns estudos historiográficos, trazendo a forma como as relações de justiça e religião eram entendidas sobre a perspectiva da época.

Os autores

A obra ‘A Colônia em Perspectiva – Pesquisas e Análises sobre o Brasil (XVI-XIX)’ não é apenas uma pesquisa que traz nova luz ao período colonial: é um esforço de autores consagrados na pesquisa científica nacional.

Victor Hugo Abril é professor Doutor da Universidade Federal Rural de Pernambuco; Maria Isabel de Siqueira é professora Doutora do Programa de Pós-Graduação de História e Chefe do Departamento de História da Unirio, no Rio de Janeiro.

Valter Lenine Fernandes é professor Mestre da Prefeitura da Cidade de São Paulo e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em História Econômica da USP; e Helena Trindade de Sá é professora Mestra da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e doutoranda em História pela Unirio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *