SINGLE BLOG ARTICLE

Os bons livros são aqueles que fazem o retrato de uma realidade histórica e social ao mesmo tempo em que são capazes de envolver quem está do outro lado da página. Um diálogo intimista entre autor e leitor se estabelece dessa forma, em que o autor tem algo a dizer e o leitor tem algo para dar significado. O mesmo livro é diferente para pessoas diferentes, porque cada um tem o seu próprio repertório e, a partir daí, a interpretação pode mudar.

O livro Mercado Central é um exemplo de obra que tem um significado para todos que se dedicarem à sua leitura. Nele, o historiador Vitor Leandro de Souza traça um panorama do Rio de Janeiro nas duas primeiras décadas da República. O recorte é ainda mais específico, com foco na municipalidade e no mercado.

A ascensão de um novo modelo político traz uma transformação profunda para a sociedade. Afinal, a forma de governar muda o dia a dia das pessoas, mesmo que elas não se deem conta disso. Em Mercado Central, Vitor Leandro pinta um cenário cheio de sonhos e ambições, no qual emerge um mercado novo à beira-mar.

O comércio é movimentado pelas pessoas que vão e vêm o tempo todo nas ruas. Assim, uma peixaria ou um armazém não são apenas isso, mas sim o palco de trabalhadores brasileiros de todas as classes, raças, cores e credos, que se cruzam entre si e compartilham as suas diferenças. A obra é praticamente uma pintura que retrata a miscigenação brasileira, aquilo que faz o nosso país ser único e especial.

E o leitor que se entrega a esse livro terá o prazer de conhecer as histórias que dão vida a toda essa movimentação; os personagens que colorem a transformação urbana, fazendo com que ela seja mais do que um caos sobre o concreto. A obra mostra a forma como o ser humano é transformado pelas mudanças que ocorrem no ambiente ao seu entorno.

Muitas vezes, obras históricas se limitam a tratar a sociedade como uma massa amorfa ao falarem das mudanças históricas e políticas que ela atravessa. Pense nos anos de escola em que você estudou história: provavelmente, cada grande acontecimento sempre foi estudado a partir de uma ótica impessoal e objetiva demais, não é mesmo?

Pois é aí que se difere a obra desse jovem – porém grandioso – historiador: a capacidade de retomar registros históricos com precisão técnica, mas somando a isso uma boa dose de subjetividade que representa a forma como as pessoas que vivenciaram esses processos reagiram a eles. Afinal, é disso que a história é feita: de gente com carne e osso, medos e aflições, sonhos e ambições.

Compre agora em nossa loja virtual: https://www.pacolivros.com.br/Mercado_Central/prod-5103400/

RELATED POSTS

Manual Jurídico da Escravidão: Império do Brasil.

Postado em 18 de junho de 2018

Livro sobre gestão da comunicação será lançado na Aberje

Postado em 13 de Abril de 2018

“Todos na Produção”

Postado em 28 de Março de 2018

As Relações Diplomáticas entre Brasil e Uruguai (1931-1938)

Postado em 23 de Março de 2018

Comércio Exterior

Postado em 10 de Março de 2018

Os Carnavais Cariocas

Postado em 5 de Março de 2018

Introdução à Sociologia da Juventude

Postado em 20 de Fevereiro de 2018

Um Maravilhoso Imaginário

Postado em 16 de Fevereiro de 2018

O Perfil do Gestor de Comunicação

Postado em 13 de Fevereiro de 2018

Modernidade em Desalinho

Postado em 10 de Fevereiro de 2018

O itinerário pioneiro do urbanista Attílio Corrêa Lima, de Anamaria Diniz

Postado em 12 de Janeiro de 2018

Livro da Paco Editorial é um dos premiados no 59º Prêmio Jabuti!

Postado em 1 de dezembro de 2017

Bem-vindo ao blog da Paco Editorial.

Postado em 19 de novembro de 2016

Comentários

Tem 0 Comentar post

ADD YOUR COMMENT