SINGLE BLOG ARTICLE

Em 2003, então aniversário de 30 anos do golpe militar sofrido pelo Chile em 1973, o cineasta Patricio Guzmán lançou Allende. O objetivo do diretor era não deixar esquecer as atrocidades sofridas pelo seu país, também pretendia salientar a importância do compromisso político dos criadores desta arte tão magnética que é o cinema. Allende – História de Salvador Allende no Cinema de Patricio Guzmán trata justamente deste assunto. Para tanto, analisa cuidadosamente a filmografia do cineasta chileno.

Fabio Monteiro contribui para o debate a respeito do potencial da linguagem cinematográfica como forma de compreender o mundo. Na verdade, a relação entre cinema, história e política é velha conhecida dos estudantes da sétima arte. De Eisenstein à Leni Riefenstahl, passando pelos expoentes do cinema novo, como Glauber Rocha. São vários os exemplos que corroboram a afirmação, o que não significa que este estudo específico possa se esgotar.

Afinal, a variedade de obras que servem de registro e reflexão acerca de momentos históricos importantes estimula uma análise contínua. Naturalmente, os filmes estão profundamente imbricados na história de nossos irmãos latino-americanos. É neste tocante que é importante relembrar o papel fundamental de Patrício Guzmán na denúncia e na resistência ao regime Pinochet.

Já no período entre 1973 e 1979, o cineasta chileno revolucionava o cinema documental por seu caráter de testemunha. Em A Batalha do Chile, produzido neste período e que resulta em três partes, estão registrados os momentos mais turbulentos do país. Ou seja, todo o brutal golpe de estado apoiado pelos Estados Unidos. Assim como a deposição e morte do presidente eleito democraticamente Salvador Allende. A partir da década de 1990, Patrício investe em filmes com forte carga de rememoração da história chilena recente.

O cineasta faz parte do seleto grupo que se convencionou chamar de Novo Cine Chileno. Influenciados pelo neorrealismo italiano e com forte veia documental, o movimento trazia figuras como Helvio Soto e Miguel Littin. O primeiro responsável por Chove sobre Santiago de 1975 e o segundo por Ata Geral do Chile de 1985.

Littin foi inclusive funcionário do governo Allende, atuando como gerente geral da Chile Films. A instituição se destinava à democratização da sétima arte no país. Os cineastas eram bem vistos pelo governo de Allende, que reconhecia o cinema como “direito do povo”. Justamente por isso, ele clamava cineastas comprometidos com o ideal da “grande tarefa de libertação nacional”.

Em Allende – História de Salvador Allende no Cinema de Patricio Guzmán, o leitor brasileiro poderá apreciar uma análise da filmografia do diretor. Figura que conquistou o posto de um dos maiores expoentes do cinema latino-americano no mundo. De forma clara e didática, o autor estimula os debates sobre o valor de documento histórico das obras cinematográficas. É com rigor conceitual e precisão que o autor se dirige ao grande público nesta obra.

Fabio Monteiro é doutorando em História, com especialização em Cinema Documentário. Além disso, é professor de Humanidades e produtor do canal Vestibular em Cena. Neste último, elabora conteúdo voltado para a divulgação de materiais de história, filosofia e literatura. As pesquisas a que se dedica, por sua vez, tratam das permanências do governo Salvador Allende no cinema latino-americano. Os filmes como ferramentas de compreensão de mundo são uma das principais práticas que defende, conceito este que pode ser facilmente percebido em seu livro.

Compre agora o seu exemplar clicando aqui

RELATED POSTS

Palavras de Revolução e Guerra

Postado em 7 de janeiro de 2019

Ler o mundo com as mãos e ouvir com os olhos: reflexões sobre o Ensino de Geografia em tempos de inclusão

Postado em 7 de janeiro de 2019

Contos de Fadas e Desenvolvimento Psicossexual: O Que Pensam e Dizem as Crianças, o Que Fazem os Professores

Postado em 7 de janeiro de 2019

Viviane G. Freitas – Feminismos na Imprensa Alternativa Brasileira

Postado em 20 de dezembro de 2018

Feitiço Caboclo: a trajetória de um indígena, no Brasil setecentista, para encontrar seu lugar na hierarquia social

Postado em 3 de dezembro de 2018

O cavalo na equoterapia: um livro marco, na história da equoterapia do Brasil

Postado em 3 de dezembro de 2018

Práticas para Aulas de Língua Portuguesa e Literatura: ensino fundamental

Postado em 19 de novembro de 2018

Memória e materialidade

Postado em 6 de novembro de 2018

Impacto das imagens digitais é tema de livro

Postado em 25 de outubro de 2018

Um Maravilhoso Imaginário

Postado em 23 de outubro de 2018

Livro da Paco Editorial é um dos premiados no 59º Prêmio Jabuti!

Postado em 12 de outubro de 2018

O itinerário pioneiro do urbanista Attílio Corrêa Lima, de Anamaria Diniz

Postado em 25 de setembro de 2018

Manual Jurídico da Escravidão: Império do Brasil.

Postado em 10 de setembro de 2018

Direto da Amazônia, livro revela como a castanha-do-pará ganhou o mundo

Postado em 25 de junho de 2018

Glauber Rocha para todos: livro resgata processo criativo do mais famoso cineasta brasileiro.

Postado em 5 de setembro de 2016

Amizade em Tempos de Tecnologia e o impacto das redes sociais

Postado em 16 de outubro de 2015

“Todos na Produção”

Postado em 12 de outubro de 2015

Introdução à Sociologia da Juventude

Postado em 4 de outubro de 2015

Modernidade em Desalinho

Postado em 18 de outubro de 2014

Livro sobre gestão da comunicação será lançado na Aberje

Postado em 15 de outubro de 2014

Mercado Central

Postado em 21 de outubro de 2013

Comércio Exterior

Postado em 20 de outubro de 2013

Os Carnavais Cariocas

Postado em 7 de outubro de 2013

O Perfil do Gestor de Comunicação

Postado em 5 de outubro de 2013

As Relações Diplomáticas entre Brasil e Uruguai (1931-1938)

Postado em 12 de outubro de 2011

Comentários

Tem 0 Comentar post

ADD YOUR COMMENT